Produção de energia elétrica por consumidores diversos


A energia fotovoltaica é produzida a partir da luz do sol que incide sobre módulos ou placas. Ainda é comum confundir a produção com o aquecimento já que os dois projetos necessitam da instalação dos equipamentos sobre os telhados. “As placas apresentam aspectos físicos parecidos, mas possuem funções completamente distintas. A placa fotovoltaica produz energia elétrica e outra aquece a água”, explica Roberto Carvalho, gestor operacional da empresa Solares Energia (www.solaresenergia.com.br).

Os sistemas fotovoltaicos residenciais, comerciais e industriais são idênticos. Eles são compostos pelos mesmos equipamentos, porém, em quantidades diferentes. “Os sistemas fotovoltaicos são indicados para clientes com consumo igual ou superior a 200 kWh por mês o que equivale a uma conta de energia de aproximadamente R$ 200,00”, esclarece Mirelly Caldeira, gestora administrativa da Solares Energia. A redução não chega a 100% pois há uma taxa mínima que corresponde ao custo da disponibilidade do padrão de energia, bandeira tarifária, iluminação pública e parte dos tributos. Para uma conta de energia de R$ 700,00, padrão bifásico, considerando que a geração do mês foi superior ao consumo de energia, o consumidor pagaria aproximadamente R$ 70,00. O investimento para implantar o sistema de geração de energia fotovoltaica é a partir de R$ 14 mil.

De acordo com Mirelly Caldeira, por determinação da Aneel, a concessionária de energia deve receber e aprovar o projeto do sistema fotovoltaico, o qual precisa seguir normas técnicas específicas, vistoriar o sistema montado e substituir o medidor do padrão de energia. Este novo medidor contabilizará a energia consumida e a energia enviada para a rede de distribuição da Cemig. “Ao final do mês, caso a energia enviada para a rede de distribuição da Cemig for superior à energia consumida, o consumidor pagará apenas uma taxa mínima. Neste caso, o excedente de energia enviada para a rede será contabilizado pela Cemig e considerado como crédito na conta do mês seguinte. Os créditos podem ser acumulados por até 60 meses”, explica.

Outra possibilidade é o cadastro de até cinco outras contas de energia para receber os créditos. Também é possível a implantação de um único gerador fotovoltaico e dividir o montante de energia gerada entre os condôminos em percentuais a serem definidos pelos próprios moradores. “Neste caso, é criada a possibilidade para uma ‘associação’ de consumidores montar um único sistema fotovoltaico. Assim como no caso do condomínio, é possível também dividir o montante de energia gerada” justifica Roberto Carvalho.

VANTANGENS

Economia: É possível reduzir até 90% do valor mensal pago na conta de energia elétrica.

Conforto: Quem gera sua energia elétrica pode utilizar o ar condicionado, secador, máquinas, aquecedores, grill e tantos outros equipamentos.

Sustentabilidade: Gera-se energia limpa, renovável e sustentável.

Praticidade: O sistema fotovoltaico ocupa pouco espaço, não requer obras civis, na maioria dos casos, e apresenta baixa necessidade de manutenção;

Legalidade: O sistema fotovoltaico está regulamentado pela Agência Nacional de Energia Elétrica, ANEEL, por meio das Resoluções ANEEL 482/2012 e 687/2015.

* O conteúdo acima foi reproduzido conforme o original, com informações e opiniões de responsabilidade da fonte citada acima.

Eletricidade solar é com a Solares Energia Fotovoltaica!

#solares #fotovoltaica #energia #setelagoas #solar #eletricidade #aquecimento

Destaques
Notícias Recentes